Directório
 
Rede Camponesa, franchising agro-comercial

A Rede Camponesa é um ambicioso projecto do grupo angolano Drago, que vai criar e gerir a primeira rede franchisadora de agro-negócios no continente africano. O projecto consiste na expansão em franchising de uma vasta rede de franchisados (donos de uma loja Rede Camponesa), corretores agrários, tractoristas, transportadores, etc., para adquirir e depois colocar no mercado a produção dos pequenos camponeses de cada província.

Muitos destes pequenos camponeses sentem-se desamparados, sem formação nem qualquer conhecimento sobre as tendências do mercado agrário. Têm ainda dificuldade em escoar as suas produções. Com este projecto, podem adquirir nas lojas da rede as ferramentas e utensílios mais adequados, recebendo ainda formação sobre o tipo de produtos a que se devem dedicar, assim como os métodos mais rentáveis de os cultivar. Após a colheita, podem escoar a produção através da rede.

No contexto da África subsaariana, Angola é potencialmente um dos países mais ricos ao nível da agricultura. Antes da independência era auto-suficiente em grande parte das colheitas e constituía um importante exportador, particularmente de café e sisal. Entretanto, a produção diminuiu drasticamente e grandes quantidades de alimentos passaram a ser importados, tornando-se o País dependente da ajuda alimentar, desde o princípio dos anos 80. A Rede Camponesa é, por isso, um projecto com viabilidade, que assume inclusive um carácter solidário e de interesse público, visto que irá contribuir para a erradicação de situações de pobreza e fome em vários meios rurais, permitindo o aparecimento de um núcleo de pequenos empresários e empreendedores no sector agrícola.

A execução prática do projecto passa pela criação de uma Operadora Provincial (espécie de Master Franchisado Regional), que irá depois implantar o conceito na região em parceria com operadores comerciais. O projecto prevê a construção de parques industriais e logísticos em várias províncias, dispondo de armazéns, escritórios, silos e mercados, para receber as produções provinciais e em seguida comercializá-las. Dois destes parques encontram-se já em construção. O primeiro deles situa-se na Lunda Norte. O outro será a própria sede do projecto, na Estrada de Cacuaco, em Kifangondo (Luanda), num terreno de 8 hectares, com uma área coberta de 23 mil metros quadrados, repartidos por armazéns, escritórios, lojas, supermercado, armazéns de frio, oficina de pesados, um Mercado Rural e ainda uma estação de combustíveis, entre outras estruturas.

O projecto encontra-se aberto a investidores de diferentes níveis. Tanto podem participar na operadora nacional (Franchisador), através da compra directa de acções, como podem adquirir os direitos de exploração da rede a nível regional (Operador Provincial - Master Franchisado Regional), com o podem ainda integrar o projecto ao nível mais básico, como franchisados numa determinada localidade, através da abertura de uma loja Rede Camponesa.

A formatação em franchising do negócio Rede Camponesa foi realizada pela empresa portuguesa Trema, especializada na consultoria de franchising e com trabalhos já desenvolvidos nos mercados de Portugal, Espanha e Angola. O Grupo Drago, promotor do projecto, tem interesses no domínio do imobiliário, construções metalomecânicas, agricultura e trading.


Partilhar o artigo: Twitter Facebook Google LinkedIn SapoLinks

| Rede Camponesa na Alimentícia 2011
| Rede Camponesa - Video de apresentação
| Rede Camponesa apresenta plano de expansão
| Rede Camponesa e Unaca lançam projecto
Notícias | Opinião | Contactos | Política de PrivacidadeSiga-nos no Facebook!Siga-nos no Twitter!GoFranchising Portugal  
2010 Direitos Reservados